» » J-Bay Open começa sem nenhuma vitória brasileira

Adriano de Souza, Jadson André e Alejo Muniz foram os que chegaram mais perto da classificação direta para a terceira fase e os norte-americanos se destacaram nas ondas da sexta-feira em Jeffreys Bay.

Kelly Slater fez os recordes do primeiro dia.
Colaboração de texto: João Carvalho/ASP South America
Colaboração de foto: Kelly Cestari/Kirstin Scholtz/ASP

Depois de dois dias de espera pelas ondas, elas chegaram em Supertubes na sexta-feira para o início do J-Bay Open em séries irregulares de 3-5 pés e nenhum brasileiro conseguiu vencer no mar difícil do primeiro dia em Jeffreys Bay, na África do Sul. O número 1 do Jeep Leaderboard, Adriano de Souza, foi quem chegou mais perto da classificação direta para a terceira fase, mas acabou derrotado pelo aéreo que o norte-americano Kolohe Andino acertou no último minuto da bateria. Todos os nove brasileiros vão ter que disputar a segunda fase que ficou para abrir o sábado, com os líderes do ranking, Mineirinho e Filipe Toledo, enfrentando os dois convidados da África do Sul nos primeiros duelos eliminatórios do J-Bay Open.

Adriano de Souza.
Sem os tubos que são a principal característica das ondas em Supertubes, as maiores notas da sexta-feira saíram para as manobras aéreas e as de borda nas paredes das longas direitas de Jeffreys Bay. Foi assim que o onze vezes campeão mundial, Kelly Slater, fez os recordes do primeiro dia. Ele completou um aéreo rodando muito alto para tirar nota 8,17 e depois massacrou uma boa onda com sua variedade de batidas e rasgadas para ganhar 8,83 e totalizar imbatíveis 17,00 pontos de 20 possíveis na primeira fase do J-Bay Open. Slater já venceu a etapa sul-africana do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour quatro vezes e precisa de precisa de outra vitória para entrar na briga do título da temporada.

"Eu me senti muito bem na bateria, assim como no freesurf que fiz ontem (quinta-feira) aqui", disse Kelly Slater. "Eu estava bem calmo e fiquei assistindo as baterias antes da minha para saber onde me posicionar no mar, que ondas pegar e ver quem estava fazendo o quê para ganhar notas altas. Na verdade, não me sinto como quem foi o destaque do dia hoje (sexta-feira). Eu tenho que fazer alguma coisa diferente, porque preciso de pontos agora para melhorar minha posição no ranking".

Vitórias Norte-Americanas - Slater ocupa a 11ª posição na classificação geral das cinco etapas já disputadas. Na primeira metade do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour, a batalha pelo título mundial ficou concentrada entre surfistas do Brasil e da Austrália, com Adriano de Souza e Filipe Toledo encabeçando o Jeep Leaderboard, seguidos por Owen Wright em terceiro lugar, Mick Fanning em quarto, Julian Wilson em quinto e Taj Burrow em sexto. Somente esses vão brigar pela liderança no ranking que Mineirinho assumiu com a vitória na etapa que fechou a "perna australiana" em Margaret River. No entanto, no primeiro dia do J-Bay Open foram os norte-americanos que se destacaram em Supertubes.

Tomas Hermes está substituindo John John Florence.
Adriano começou bem a sua bateria com nota 6,67, depois surfou outra onda parecida que valeu 6,57 e liderou o confronto até o último minuto. Foi quando o norte-americano Kolohe Andino arriscou um aéreo e aterrissou com perfeição para arrancar nota 7,93 dos juízes e virar o placar para 14,03 a 13,24 pontos. O sul-africano Slade Prestwich terminou em último e vai voltar a enfrentar Adriano de Souza no primeiro duelo eliminatório em Jeffreys Bay. O segundo será o do vice-líder, Filipe Toledo, que não achou as ondas na sua bateria vencida por outro norte-americano, Dane Reynolds, com Michael February, também da África do Sul. Ele entrou na última hora para substituir o australiano Matt Banting, que contundiu o joelho enquanto treinava para o campeonato na quinta-feira.

Melhores brasileiros - Outra surpresa dos Estados Unidos no primeiro dia foi o veterano campeão mundial C. J. Hobgood, que finalmente conseguiu vencer a sua primeira bateria na temporada 2015. As vítimas foram o número 3 do Jeep Leaderboard, Owen Wright, e o também australiano Kai Otton. Já entre os brasileiros, além de Adriano de Souza, quem chegou mais perto de salvar a pátria na rodada de abertura do J-Bay Open foi o potiguar Jadson André. Ele largou na frente com uma boa onda que valeu nota 7,83 e totalizou 14,60 pontos com o 6,77 da sua segunda melhor atuação. Só que o havaiano Fredrick Patacchia surfou três ondas na casa dos 7 pontos para vencer por 14,90 pontos, com o também potiguar Italo Ferreira ficando em último com 10,53.

O catarinense Alejo Muniz.
O catarinense Alejo Muniz também ficou em segundo lugar na outra bateria com participação dupla do Brasil. Ele surfou uma das melhores ondas do dia, mas faltou outra pelo menos regular para somar com a nota 8,0 desta e acabou derrotado pelo australiano Julian Wilson por 13,93 a 12,27 pontos, com Miguel Pupo ficando em último com apenas 5,60 nas duas notas computadas. Alejo fez parte da elite dos top-34 por quatro temporadas, perdeu a vaga no ano passado, mas já garantiu o seu retorno com a vitória no QS 10000 de Ballito conquistada no último domingo lá mesmo na África do Sul.

Em Jeffreys Bay, ele e o também catarinense Tomas Hermes estão substituindo os contundidos John John Florence, do Havaí, e Jeremy Flores, da França. Tomas acertou um belo aéreo na sua bateria, mas ficou em terceiro na disputa vencida pelo tricampeão mundial Mick Fanning. Também terminaram em último nas suas baterias de estreia no J-Bay Open o vice-líder do ranking, Filipe Toledo, Italo Ferreira, Wiggolly Dantas e o atual campeão mundial Gabriel Medina no último confronto do dia encerrado com vitória do havaiano Keanu Asing.

Jadson André enfrenta Kai Otton.
Duelos eliminatórios - A segunda fase ficou para abrir o sábado ou o próximo dia de boas ondas em Supertubes. O primeiro duelo eliminatório do J-Bay Open será entre Adriano de Souza e Slade Prestwich. No segundo, Filipe Toledo enfrenta o outro convidado da África do Sul, Michael February. Na sequência entram os dois reforços da "seleção brasileira" em Jeffreys Bay com dois australianos que estão na briga direta pela liderança do ranking, Owen Wright contra Tomas Hermes na terceira bateria e Taj Burrow contra Alejo Muniz na quarta.

O sexto confronto será entre o potiguar Italo Ferreira e o havaiano Dusty Payne e o sétimo entre Gabriel Medina e o irlandês Glenn Hall. Depois tem o potiguar Jadson André contra o australiano na décima bateria e na seguinte acontece um confronto brasileiro entre os paulistas Wiggolly Dantas e Miguel Pupo. Os vencedores avançam para a terceira fase e os perdedores são eliminados em 25.o lugar no J-Bay Open, marcando apenas 500 pontos no ranking e recebendo 9.000 dólares pela participação na etapa sul-africana do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour.

O campeão mundial Gabriel.
O J-Bay Open está sendo transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e também pela Fox Sports para a Austrália, pela MCS Extreme para a França, EDGE Sports para a China, Coréia do Sul, Malásia e outros territórios e no Brasil terá cobertura especial da TV Globo e dos canais ESPN. O link também pode ser acessado clicando-se no banner do evento na capa do www.wslsouthamerica.com e a primeira chamada do sábado está marcada para as 7h30 em Jeffreys Bay, 2h30 da madrugada pelo fuso horário de Brasília.

SEGUNDA FASE DO J-BAY OPEN - Vitória=Terceira Fase / Derrota=25º lugar com 500 pontos e US$ 9.000:
1ª) Adriano de Souza (BRA) x Slade Prestwich (AFR)
2ª) Filipe Toledo (BRA) x Michael February (AFR)
3ª) Owen Wright (AUS) x Tomas Hermes (BRA)
4ª) Taj Burrow (AUS) x Alejo Muniz (BRA)
5ª) Nat Young (EUA) x Brett Simpson (EUA)
6ª) Italo Ferreira (BRA) x Dusty Payne (HAV)
7ª) Gabriel Medina (BRA) x Glenn Hall (IRL)
8ª) Joel Parkinson (AUS) x Ricardo Christie (NZL)
9ª) Jordy Smith (AFR) x Adam Melling (AUS)
10) Jadson André (BRA) x Kai Otton (AUS)
11) Wiggolly Dantas (BRA) x Miguel Pupo (BRA)
12) Matt Wilkinson (AUS) x Sebastian Zietz (HAV)

PRIMEIRA FASE CLASSIFICATÓRIA - Vitória=Terceira Fase / 2.o e 3.o=Segunda Fase)
1ª) 1-Michel Bourez (TAH)=12.00, 2-Brett Simpson (EUA)=7.84, 3-Taj Burrow (AUS)=5.26
2ª) 1-Julian Wilson (AUS)=13.93, 2-Alejo Muniz (BRA)=12.27, 3-Miguel Pupo (BRA)=5.60
3ª) 1-C. J. Hobgood (EUA)=13.70, 2-Owen Wright (AUS)=12.86, 3-Kai Otton (AUS)=9.73
4ª) 1-Dane Reynolds (EUA)=13.33, 2-Adam Melling (AUS)=7.00, 3-Filipe Toledo (BRA)=5.33
5ª) 1-Mick Fanning (AUS)=15.67, 2-Michael February (AFR)=11.33, 3-Tomas Hermes (BRA)=7.66
6ª) 1-Kolohe Andino (EUA)=14.03, 2-Adriano de Souza (BRA)=13.24, 3-Slade Prestwich (AFR)=10.33
7ª) 1-Josh Kerr (AUS)=12.94, 2-Dusty Payne (HAV)=10.14, 3-Sebastian Zietz (HAV)=7.74
8ª) 1-Kelly Slater (EUA)=17.00, 2-Matt Wilkinson (AUS)=9.33, 3-Glenn Hall (IRL)=5.40
9ª) 1-Adrian Buchan (AUS)=12.60, 2-Nat Young (EUA)=10.00, 3-Wiggolly Dantas (BRA)=8.87
10) 1-Fredrick Patacchia (HAV)=14.90, 2-Jadson André (BRA)=14.60, 3-Italo Ferreira (BRA)=10.53
11) 1-Bede Durbdige (AUS)=14.00, 2-Ricardo Christie (NZL)=6.70, 3-Jordy Smith (AFR)=5.17
12) 1-Keanu Asing (HAV)=13.93, 2-Joel Parkinson (AUS)=13.27, 3-Gabriel Medina (BRA)=9.00


Sobre os autores:

Gabriella Simões fez Fotografia Digital no Sesc e é associada a Arfoc/Brasil através da Arfoc/BA. Miguel Brusell é formado em Comunicação Social na UFBA, tem pós em Gestão de Informações para Multimeios na FTC e bloga desde 2003.
«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Comentar