Brasil é maioria nas oitavas do Oi HD São Paulo Open - EsporteNaRede

Últimas

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Brasil é maioria nas oitavas do Oi HD São Paulo Open

Michael Rodrigues fez novos recordes no QS 10000 de São Sebastião e Gabriel Medina, Adriano de Souza e mais quatro brasileiros se classificaram nas ondas desafiadoras da sexta-feira em Maresias.

O campeão mundial Gabriel Medina.
Colaboração de foto: Daniel Smorigo
Colaboração de texto: João Carvalho/WSL

Os brasileiros brilharam nas ondas desafiadoras de 4-6 pés da sexta-feira de chuva na Praia de Maresias e são maioria com sete surfistas entre os dezesseis classificados para as oitavas de final do Oi HD São Paulo Open of Surfing em São Sebastião. O cearense Michael Rodrigues estabeleceu novos recordes de nota - 9,97 - e pontos - 18,00 - para o QS 10000 que fecha a "perna brasileira" de fim de ano da WSL South America. O campeão mundial Gabriel Medina também deu o seu show com tubos e aéreos em Maresias e Adriano de Souza, Jadson André, Miguel Pupo, Caio Ibelli e Messias Felix, também seguem na disputa do título que vale 10.000 pontos e um prêmio de 40 mil dólares, junto com cinco australianos, um norte-americano, um havaiano, um neozelandês e um taitiano.

Michael Rodrigues.
"A onda veio, remei entre os dois (Filipe Toledo e Nathan Yeomans) mesmo sem estar com a prioridade (de escolha da próxima onda), mas vi que eles não estavam remando com força pra ela e eu fui, dropei, dei uma rasgada e fui com tudo pra junção. Quando completei a última manobra, já senti que ia sair uma nota boa, mas não imaginava que seria a mais alta do campeonato", descreveu Michael Rodrigues, sobre a onda que valeu nota 9,97. Ele é o brasileiro que está mais próximo da zona de classificação para o WCT, mas prefere não pensar muito nisso.

"Uma coisa que venho falando desde Portugal, é que não estou pensando muito sobre resultados ou ranking. Eu acredito que você vai colher os frutos de um trabalho bem feito e estou me dedicando e treinando bastante para entrar no WCT. No entanto, se não for esse ano, vai ser no próximo ou na hora que Deus quiser", disse Michael Rodrigues, que depois deu outro show no confronto que fechou a sexta-feira, encerrado com uma dobradinha cearense com Messias Felix sobre o australiano Mitch Coleborn, na disputa pelas duas últimas vagas para as oitavas de final.

O potiguar Jadson André.
Os recordes foram batidos na bateria que fechou a segunda fase do Oi HD São Paulo Open of Surfing, com Michael Rodrigues e o norte-americano Nathan Yeomans barrando o defensor do título do QS 10000, Filipe Toledo, além do também paulista Alex Ribeiro, uma das novidades confirmadas na "seleção brasileira" do WCT 2016. O ex-recordista, Italo Ferreira, já havia sido derrotado duas baterias antes pelo também potiguar Jadson André e o australiano Mitch Coleborn. Já as outras estrelas do Brasil na elite mundial avançaram para a rodada classificatória para as oitavas de final que fecharam a sexta-feira emocionante na Praia de Maresias.

Os confrontos passaram a ser com apenas três competidores disputando duas vagas e as primeiras foram conquistadas pelo havaiano Keanu Asing e pelo taitiano Mateia Hiquily. Keanu, no momento, está fechando o grupo dos 22 que são mantidos na elite dos top-34 pelo ranking do WCT, mas quer melhorar sua posição no Qualifying Series para caso precisar da vaga pela divisão de acesso da World Surf League. Ele já ganhou vinte posições com a passagem para as oitavas de final do Oi HD São Paulo Open of Surfing, subindo da 77.a para a 57.a posição.

Keanu Asing.
"Eu gosto muito de vir para o Brasil, acho que os brasileiros são ótimos competidores e só recebo boas vibrações de todos aqui", disse Keanu Asing. "Nessa condição de mar como hoje (sexta-feira), você precisa estar preparado psicologicamente para talvez pegar poucas ondas e ser bem seletivo. No caso da minha bateria, quem pegasse uma segunda onda melhor ia vencer, então foquei nisso. Na real, estou procurando curtir tudo aqui e espero continuar avançando e melhorando a cada bateria para conquistar um bom resultado, que é sempre o meu objetivo quando participo de qualquer campeonato".

Vagas no G-10 - Na disputa seguinte, os dois surfistas que estavam mais próximos da zona de classificação para o WCT 2016 derrotaram o paulista Hizunomê Bettero. O norte-americano Conner Coffin passou em segundo lugar, mas entrou no G-10, com o australiano Davey Cathels ficando logo abaixo dele. A batalha continua para os dois, que ainda são ameaçados pelo brasileiro Michael Rodrigues e o australiano Cooper Chapman, únicos que, além deles, seguiram com chances matemáticas de entrar no G-10 do WSL Qualifying Series com os resultados da sexta-feira em Maresias.

Davey Cathels.
"Eu me senti bem na bateria, a prancha está boa para essas condições, tenho surfado bem e gosto de ondas com mais power (força) como as de hoje (sexta-feira)", disse Davey Cathels, que já saltou da vigésima para a 12.a posição no ranking que agora está classificando para o WCT até o 11º colocado, Conner Coffin. "Foi uma bateria muito acirrada, com a liderança trocando a cada onda surfada, então qualquer um poderia ter vencido. Sei que subi mais um pouco no ranking, mas o trabalho ainda não terminou. Vou continuar tentando vencer baterias e depois vejo o que vai faltar para garantir minha vaga no Havaí".

Campeão mundial - Os dois principais concorrentes pelas últimas vagas no WCT vão abrir as oitavas de final no sábado, com Conner Coffin enfrentando Keanu Asing na primeira bateria do dia e Davey Cathels disputando a segunda com Mateia Hiquily. A terceira será entre o campeão mundial Gabriel Medina e o australiano Jack Freestone, que já garantiu sua entrada na elite da World Surf League. Competindo em casa, Medina pegou belos tubos e voou em aéreos sensacionais para fazer o segundo maior placar do Oi HD São Paulo Open of Surfing, 17,67 pontos com as notas 9,00 e 8,67 das suas duas melhores ondas na vitória sobre o australiano Thomas Woods e o catarinense Willian Cardoso, eliminado em 17.o lugar.

Conner Coffin.
"Eu tenho treinado os meus aéreos e na bateria consegui achar umas rampas boas para voar. Fiquei amarradão por ter recebido duas notas altas para vencer bem a bateria", disse Gabriel Medina. "Eu fiquei assistindo as baterias antes da minha e vi que estava difícil de encontrar as ondas boas. Eu procurei ficar bem ativo e funcionou porque entraram várias ondas na bateria e isso ajudou também. Acho que perdi um pouco de peso durante a perna europeia e foi bom pra mim, estou me sentindo mais leve, mas agora preciso me fortalecer para competir no Havaí".

Com a saída de Filipe Toledo, dos três brasileiros que vão disputar o título mundial em Banzai Pipeline, apenas Medina e Adriano de Souza seguem competindo em Maresias. Mineirinho garantiu sua vaga nas oitavas de final derrotando dois australianos, com Connor O´Leary despachando Nathan Hedge para melhorar ainda mais a sua pontuação dentro do G-10 do WSL Qualifying Series, apesar de se manter em oitavo no ranking atualizado com os resultados da sexta-feira em São Sebastião. Adriano agora terá um duelo guarujaense com Caio Ibelli na quinta bateria das oitavas de final.

Adriano de Souza.
"A minha estratégia era de pegar duas ondas boas logo no início da bateria e fiquei feliz por ter passado para a próxima fase", disse Adriano de Souza. "O Connor (O`Leary) e o Nathan (Hedge) são ótimos surfistas, mas estou me sentindo muito bem com os treinamentos que venho fazendo na Aprimore Surf. O Ricardinho (dos Santos, assassinado em janeiro deste ano) trabalhava com o mesmo técnico. Ele é o meu Anjo da Guarda e éramos muito amigos. Lembro de ter ido pro Taiti quando eu tinha 18 e ele 15 anos. Eu já estava no WCT e fomos lá pra treinar. Ficamos na mesma casa e, quando voltamos ao Brasil, nós dois tivemos fotos na capa de revistas. Depois disso ele virou um dos melhores surfistas neste tipo de onda e foi muito triste quando ele morreu. Está difícil seguir sem ele aqui, mas tenho certeza que ele está feliz com tudo que estamos fazendo no Tour".

O paulista Miguel Pupo.
Outros dois brasileiros da elite mundial também brilharam na sexta-feira, o paulista Miguel Pupo e o potiguar Jadson André, que conseguiu sua classificação para as oitavas de final na onda que surfou nos últimos segundos. Com a nota 8,0 recebida, ele superou o norte-americano Nathan Yeomans por 14,33 a 14,16 pontos. Miguel liderou a bateria de ponta a ponta e venceu por 15,60 pontos com a nota 9,67 que recebeu logo na primeira onda que pegou, uma esquerda detonada com uma série de quatro manobras explosivas que chegou até a arrancar nota 10 de um dos cinco juízes.

"Cada bateria que eu passar é importante para o meu ranking", disse Miguel Pupo, que está fora dos 22 que são mantidos na elite pelo ranking do WCT, mas vai confirmando sua permanência pelo WSL Qualifying Series, já subindo da décima para sétima posição. "Eu acredito que tenho que chegar no mínimo nas quartas de final para obter uma pontuação mais confortável, mas estou tranquilo, em casa, dormindo na minha cama, com minha mãe cozinhando pra mim todos os dias. Eu quero agradecer todos os patrocinadores que fizeram esse evento acontecer, porque senão eu já estaria no Havaí. Foi ótimo voltar pra casa antes disso e ao mesmo tempo ter um campeonato importante pra competir".

Oitavas de final -Miguel Pupo agora terá um confronto brasileiro com o cearense Messias Felix, que está acertando os aéreos para derrubar adversários em Maresias. Esta será a penúltima bateria das oitavas de final e a última também será 100% verde-amarela, entre o potiguar Jadson André e outro cearense, Michael Rodrigues, que está a um passo da zona de classificação para o WCT. Já a primeira vaga para as quartas de final será disputada pelo havaiano Keanu Asing e o norte-americano Conner Coffin.

Caio Ibelli.
Na segunda bateria do sábado, o australiano Davey Cathels enfrenta o taitiano Mateia Hiquily. O campeão mundial Gabriel Medina entra na terceira com outro australiano, Jack Freestone. A seguinte será 100% australiana, entre Cooper Chapman e Thomas Woods. Depois tem a primeira oitava de final brasileira, com Adriano de Souza e Caio Ibelli. A sexta bateria terá o neozelandês Ricardo Christie contra o australiano Connor O´Leary, antecedendo os dois duelos verde-amarelos que vão fechar as oitavas de final.

O QS 10000 Oi HD São Paulo Open of Surfing tem os patrocínios de Oi e HD (Hawaiian Dreams), copatrocínios de Construtora Nossolar, Vult Cosméticos, Back Fish e Rádio 89 FM. Apoios do Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura de São Sebastião. O evento é homologado pela World Surf League, com apoio institucional da Federação Paulista de Surf, Associação de Surf de São Sebastião e Associação de Surf de Maresias. Divulgação: Revista Fluir, Waves, ESPN e 89 FM, cm transmissão ao vivo pelo www.worldsurfleague.com

OITAVAS DE FINAL DO OI HD SÃO PAULO OPEN OF SURFING:
1ª) Keanu Asing (HAV) x Conner Coffin (EUA)
2ª) Davey Cathels (AUS) x Mateia Hiquily (TAH)
3ª) Gabriel Medina (BRA) x Jack Freestone (AUS)
4ª) Cooper Chapman (AUS) x Thomas Woods (AUS)
5ª) Adriano de Souza (BRA) x Caio Ibelli (BRA)
6ª) Ricardo Christie (NZL) x Connor O´Leary (AUS)
7ª) Miguel Pupo (BRA) x Messias Felix (BRA)
8ª) Jadson André (BRA) x Michael Rodrigues (BRA)

TERCEIRA FASE - 3º=17º lugar com 2.200 pontos e US$ 2.700 de prêmio:
1ª) 1-Keanu Asing (HAV)=10.67, 2-Mateia Hiquily (TAH)=10.23, 3-Victor Bernardo (BRA)=10.20
2ª) 1-Davey Cathels (AUS)=14.76, 2-Conner Coffin (EUA)=13.13, 3-Hizunomê Bettero (BRA)=12.84
3ª) 1-Gabriel Medina (BRA)=17.67, 2-Thomas Woods (AUS)=15.77, 3-Willian Cardoso (BRA)=3.90
4ª) 1-Cooper Chapman (AUS)=12.83, 2-Jack Freestone (AUS)=11.23, 3-Tomas Hermes (BRA)=9.67
5ª) 1-Adriano de Souza (BRA)=11.50, 2-Connor O´Leary (AUS)=9.06, 3-Nathan Hedge (AUS)=8.77
6ª) 1-Ricardo Christie (NZL)=15.33, 2-Caio Ibelli (BRA)=13.44, 3-Kanoa Igarashi (EUA)=10.14
7ª) 1-Miguel Pupo (BRA)=15.60, 2-Jadson André (BRA)=14.33, 3-Nathan Yeomans (EUA)=14.16
8ª)

SEGUNDA FASE - 3º=25º lugar com US$ 1.900 e 1.100 pts / 4º=37º lugar com US$ 1.600 e 1.000 pts:
------------baterias que abriram a sexta-feira:
5ª) 1-Thomas Woods (AUS), 2-Jack Freestone (AUS), 3-Samuel Pupo (BRA), 4-Beyrick De Vries (AFR)
6ª) 1-Cooper Chapman (AUS), 2-Gabriel Medina (BRA), 3-Carlos Munoz (CRI), 4-Ezekiel Lau (HAV)
7ª) 1-Connor O´Leary (AUS), 2-Caio Ibelli (BRA), 3-Bino Lopes (BRA), 4-Tanner Gudauskas (EUA)
8ª) 1-Ricardo Christie (NZL), 2-Adriano de Souza (BRA), 3-Jessé Mendes (BRA), 4-Tanner Hendrickson (HAV),
9ª) 1-Kanoa Igarashi (EUA), 2-Nathan Hedge (AUS), 3-Michael Dunphy (EUA), 4-Yadin Nicol (AUS)
10) 1-Jadson André (BRA), 2-Mitch Coleborn (AUS), 3-Italo Ferreira (BRA), 4-Krystian Kymerson (BRA)
11) 1-Miguel Pupo (BRA), 2-Messias Felix (BRA), 3-Ian Gouveia (BRA), 4-Noe Mar McGonagle (CRI)
12) 1-Michael Rodrigues (BRA), 2-Nathan Yeomans (EUA), 3-Alex Ribeiro (BRA), 4-Filipe Toledo (BRA)
------------baterias que fecharam a quarta-feira)
1ª) 1-Victor Bernardo (BRA), 2-Hizunomê Bettero (BRA), 3-Hiroto Arai (JPN), 4-Marco Fernandez (BRA)
2ª) 1-Conner Coffin (EUA), 2-Mateia Hiquily (TAH), 3-Soli Bailey (AUS), 4-Sebastian Zietz (HAV)
3ª) 1-Davey Cathels (AUS), 2-Keanu Asing (HAV), 3-Tomas Fernandes (PRT), 4-Leonardo Fioravanti (ITA)
4ª) 1-Willian Cardoso (BRA), 2-Tomas Hermes (BRA), 3-Wiggolly Dantas (BRA), 4-Billy Stairmand (NZL)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad