» » Bahiano lança livro com 100 anos de história | Com fotos

Em uma bela e concorrida solenidade no mirante da Arena Fonte Nova na noite desta quinta (20), às 19h, o tradicional Clube da Graça lança o Livro “Clube Bahiano de Tênis 100 Anos de Histórias, de Lutas e Glórias”.

O presidente do Clube, Gian Biglia e o escritor e jornalista Pablo Reis.
Por Miguel Brusell com informações do CBT
Fotos: Gabriela Simões

A história do centenário do Clube se funde com o desenvolvimento e a modernização do Estado da Bahia e é contada em um livro comemorativo, produzido a partir de uma pesquisa com 500 documentos históricos, 180 entrevistas e 600 fotografias.

“Toda cidade carrega seus segredos. Revelá-los talvez seja a melhor parte.”
Mauro Rossi

Lançamento do Livro: 100 Anos do Clube Bahiano de Tênis.

O atual presidente do Clube Bahiano de tênis, Gian Biglia.
O projeto do livro Clube Bahiano de Tênis – 100 Anos de Histórias, de Lutas e Glórias nasceu há seis anos, idealizado pelo atual presidente do Clube, Gian Biglia, e executado pelo publicitário Mauro Rossi, especialista em marketing cultural, e pelo escritor e jornalista Pablo Reis, responsáveis por um mergulho profundo nas raízes da Cidade do Salvador para fazer emergir a obra que já se consolida como um dos maiores registros realizados sobre a sociedade baiana e que já concorre, neste ano, ao 59º Prêmio Jabuti, a maior premiação literária no Brasil, no segmento Fotojornalismo.

Para resgatar essa história, foram consultados mais de 500 documentos antigos e realizadas centenas de entrevistas com sócios, historiadores, atletas e personalidades municipais, estaduais e nacionais, que revelaram todos os detalhes de suas memórias afetivas no Clube Bahiano de Tênis (CBT). O resultado pode ser conferido na tão esperada publicação, que também será lançada em São Paulo, no dia 14 de agosto, às 19h, no Club Athletico Paulistano.

O evento contou com a presença de autoridades, personalidades e personagens dessa rica história, apresentação de uma orquestra de berimbau, pintura ao vivo de um painel com arte de rua do renomado artista argentino Nicolas Said, além de um pocket show voz e violão da cantora e compositora santiaguense Fernanda Pizzuti, com clássicos da música nacional e internacional.

Os convidados folhearam a obra em púlpitos, para facilitar o manuseio do livro, e apreciar as fotos da trajetória do Clube em um painel de 15 metros, que também apresentará um registro especial e atual de Salvador, do fotógrafo Aramaca.

Registro histórico

Com mais de 600 fotografias e ilustrações, a maioria inédita aos olhos do grande público, o livro extrapola a mera cronologia de fatos relacionados ao Clube, sendo um recorte histórico que começa bem antes da pedra fundamental e das primeiras quadras de tênis. A publicação mostra como o sítio onde a instituição foi erguida é ponto central na geografia e na política da Bahia, desde Caramuru e Tomé de Souza até a atualidade. Contém documentos originais de compra e venda de terrenos e mapas topográficos que remontam mais de 400 anos, registros únicos, com autenticidade comprovada.

“Determinado a consolidar e realizar um projeto arquitetônico audaz, revolucionário e ajustado aos novos tempos, senti a necessidade de buscar o elo maior, a essência, a alma desta agremiação. Fizemos um trabalho detalhado e minucioso, obtendo relatos e muitas histórias inéditas que contribuíram para mudar crenças, corrigir entendimentos, reconectar e explicar fatos de relevância histórica, com o reconhecimento de personalidades e feitores”, relata o presidente do CBT, Gian Biglia.

Para Mauro Rossi, este foi um dos projetos mais desafiantes que realizou, pois a obra vai contribuir para eternizar o Clube Bahiano de Tênis como Patrimônio Cultural e Imaterial da Cidade do Salvador e do Estado da Bahia. “Fui designado pelo próprio presidente do Clube para resgatar e reconstruir a história centenária do Bahiano de Tênis, o famoso ‘Aristocrático da Barra Avenida’, uma agremiação soteropolitana, fundada em 25 de agosto de 1916, por jovens visionários e pioneiros, que reuniram a sociedade baiana nos primórdios da organização social laica, extrapolando barreiras e tornando-se protagonista de inesquecíveis feitos sociais, políticos e esportivos”, revela o realizador do livro, que tem o selo da Editora Barro de Chão. Neste momento, em que a cidade vive uma nova transformação social, política e urbanística, conhecer e resgatar seus alicerces é essencial para a preservação da identidade cultural de seu povo. Um trabalho que ficou sob o comando do jornalista Pablo Reis.

Sobre o livro

Com tiragem inicial de mil exemplares, a primeira edição limitada do livro Clube Bahiano de Tênis – 100 Anos de Histórias, de Lutas e Glórias tem o objetivo de atender sócios, bibliotecas públicas e fundações especializadas em democratização do conhecimento educacional e cultural, agremiações sociais e esportivas, além de admiradores de histórias, disseminando cultura e promovendo a mobilização da sociedade local.

Atualmente, apenas 200 exemplares estão disponíveis para aquisição. A iniciativa é uma realização da Editora Barro de Chão e conta com o apoio do Ministério da Cultura, das empresas Moura Dubeux, PricewaterhouseCoopers e Clia-Empório, Banco Tricury, Prefeitura de Salvador/SALTUR, Agência Top Two Box, Talento RH, Bahia Surf Camp, ARAMACA, Itaipava Arena Fonte Nova, Itaipava, Escritório de Advocacia Antônio José Marques Neto, Reis Magalhães & Pereira Advogados e MMC & Zarif Advogados.

Sobre os autores:

Gabriella Simões fez Fotografia Digital no Sesc e é associada a Arfoc/Brasil através da Arfoc/BA. Miguel Brusell é formado em Comunicação Social na UFBA, tem pós em Gestão de Informações para Multimeios na FTC e bloga desde 2003.
«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Comentar