» » John John é campeão do Rio Pro

O havaiano deu um show na final com o australiano Jack Freestone e também na semifinal contra o campeão mundial Adriano de Souza, que terminou empatado em terceiro lugar com Gabriel Medina no Rio de Janeiro.

O havaiano John John Florence.
Colaboração de texto: João Carvalho/©WSL
Colaboração de foto: Cestari/Smorigo/©WSL

Os campeões mundiais Adriano de Souza e Gabriel Medina pararam nas semifinais e o havaiano John John Florence festejou sua segunda vitória na etapa brasileira do Samsung Galaxy World Surf League Championship no Rio de Janeiro. Assim como em 2012, ele enfrentou um australiano na grande final do Oi Rio Pro apresentado por Corona e deu um show nas ondas de 4-6 pés da quinta-feira, para o público que enfrentou a chuva no Postinho da Barra da Tijuca. Por 18,97 a 16,13 pontos, John John ganhou de Jack Freestone a disputa pelo prêmio máximo de 100.000 dólares e saltou da 13ª para a terceira posição no ranking, que continua liderado pelo australiano Matt Wilkinson com Italo Ferreira em segundo lugar.


John John Florence.
"Confesso que entrei na final um pouco nervoso, porque o Jack (Freestone) estava arrebentando no evento", disse John John Florence. "Eu achei que demorei muito para pegar ondas e no início eu tinha certeza que ele ia mandar um aereozão e me colocar em combination. Adorei que tinha bastante onda com pressão e são nessas condições que me sinto em casa. E o público aqui é demais, todo mundo me apoia bastante e acho que isso me ajudou a ganhar o campeonato. Agora subi para terceiro no ranking, mas ainda tem muito chão pela frente e não estou pensando em título mundial nem nada, só mesmo em fazer o meu melhor em cada bateria, cada etapa".


Jack Freestone e John John Florence.
O havaiano fez de tudo na grande final do Oi Rio Pro, aumentando a vantagem a cada onda. Ele surfou belos tubos, usou seu arsenal de manobras modernas e progressivas para passar cada seção e ainda as manobras aéreas que arrancaram as maiores notas da bateria. John John recebeu nota 7,00 na primeira onda, 8,00 na segunda e construiu o maior placar da quinta-feira com o 9,70 e 9,27 recebidos em duas ondas seguidas. O australiano Jack Freestone também surfou bem, manobrando forte e voando nos aéreos, mas o máximo que conseguiu foram notas 8,33 e 7,80 para somar no resultado encerrado em 18,97 a 16,13 pontos.

Jack Freestone e John John Florence.
No último dia, o campeão John John Florence começou ganhando o duelo havaiano com Dusty Payne que abriu as quartas de final. O campeão mundial Adriano de Souza despachou o australiano Davey Cathels na bateria seguinte, mas não teve qualquer chance contra o havaiano nas semifinais. Já o australiano Jack Freestone, que não participou das duas etapas antes do Brasil por estar contundido, passou por três brasileiros nas fases decisivas. Na quarta-feira, eliminou o novo vice-líder do ranking, Italo Ferreira, no último confronto do dia. E na quinta-feira, primeiro barrou Miguel Pupo e depois o campeão mundial Gabriel Medina nas semifinais, frustrando a enorme torcida que queria ver um brasileiro na final.

Jack Freestone.
"Apesar de não ganhar o evento, achei que tive uma boa performance aqui, não fiquei nervoso nenhuma vez, nem na final quando ele (John John Florence) estava 18 pontos à minha frente", disse Jack Freestone. "Eu sabia que se tivesse acertado aquele (aéreo) alley-oop poderia até ter vencido, mas fiquei feliz pelo segundo lugar também. Certamente esse resultado me dá mais confiança para os próximos eventos e posso ficar um pouco mais tranquilo também em relação a me manter nos tops da elite para o ano que vem".

Brasil nas semifinais - As semifinais começaram com a reedição da final da etapa de Margaret River no ano passado. Na Austrália, o campeão mundial Adriano de Souza derrotou John John Florence, mas o havaiano achou as melhores ondas que entraram na bateria, surfou lindos tubos sempre emendando fortes manobras na saída para receber notas 9,80 e 8,93. Com elas fez o segundo maior placar do Oi Rio Pro 2016 até ali, 18,73 pontos contra apenas 12,66 do Mineirinho, que terminou em terceiro lugar na etapa brasileira da World Surf League. Mesmo com a derrota, Adriano agora volta a brigar na ponta de cima da tabela de classificação, passando a ocupar a sexta posição no ranking.


Adriano de Souza.
"Foi uma bateria muito difícil", admitiu Adriano de Souza. "O mar estava muito complicado hoje (quinta-feira), então quem estava em sintonia com as ondas, no lugar certo na hora certa para pegar as boas, levava vantagem, o que não foi o meu caso contra o John John (Florence). Ele estava no ritmo desde o início do evento e, com todo o talento que tem, é sempre muito difícil ganhar dele. Mas, estou feliz com minha performance e desempenho no campeonato. Fiz o meu melhor e fiquei contente com o meu resultado".

Na outra semifinal, Gabriel Medina usou sua arma mortal, o aéreo reverse de backside nas direitas do Postinho, para tirar a maior nota da bateria, 9,07. O australiano Jack Freestone entrou na briga numa direita que rendeu duas manobras muito fortes que valeram nota 7,83. Depois Medina arriscou outro aéreo muito alto sem completar e Freestone repetiu a fórmula de duas manobras em mais uma direita para ganhar 8,67 e assumir a liderança com 16,50 pontos, deixando o campeão mundial precisando de 7,43 nos cinco minutos finais. Só que não entrou mais nenhuma onda boa e Medina também terminou em terceiro lugar no Oi Rio Pro, marcando 6.500 pontos no ranking e recebendo 25 mil dólares de prêmio como Mineirinho.


Gabriel Medina.
"Eu queria muito ter passado para a final, mas foi um bom evento e agora já mudo meu foco para Fiji (local da próxima etapa)", disse Gabriel Medina. "É sempre empolgante entrar na água com toda essa torcida na praia. Eu consegui duas notas 10 aqui esse ano, passei umas baterias boas e agora estou bem mais confiante para a próxima etapa. Eu fiquei em casa por um tempão, surfando e treinando bastante como sempre e estou com pranchas boas também, então vamos com tudo para Fiji tentar outro bom resultado lá".

O australiano Jack Freestone já tinha barrado outro brasileiro nas quartas de final, o paulista Miguel Pupo, que ficou em quinto lugar no Oi Rio Pro e entrou no grupo dos 22 primeiros colocados que são mantidos na divisão de elite da World Surf League para o ano que vem. Pupo agora divide a 21.a posição com o também paulista Wiggolly Dantas, com os dois fechando a zona de classificação após a etapa brasileira encerrada na quinta-feira. O próximo desafio do Samsung Galaxy WSL Championship Tour é nos dias 5 a 17 de junho nas Ilhas Fiji.

Ilhas Fiji - Apesar de não ter vencido nenhuma bateria no Rio de Janeiro, o australiano Matt Wilkinson permanece com a lycra amarela do Jeep WSL Leader para competir nas Ilhas Fiji. O potiguar Italo Ferreira poderia ter assumido a ponta se vencesse o Oi Rio Pro, porém ficou em nono lugar sendo mais uma vítima do australiano Jack Freestone nas ondas do Postinho. Mesmo assim, Italo subiu da terceira para a segunda posição no ranking e Caio Ibelli da sexta para a quinta. Já Adriano de Souza saltou do 13.o para o sexto lugar e Gabriel Medina foi da 18.a para a nona colocação no ranking das quatro etapas completadas no Brasil.

Miguel Pupo.
Nas Ilhas Fiji, cinco surfistas têm chances matemáticas de tirar a lycra amarela do Jeep WSL Leader de Matt Wilkinson. Para superar os 25.000 pontos que o australiano garante com os 500 do último lugar, Italo Ferreira e John John Florence precisam no mínimo chegar nas semifinais. O havaiano Sebastian Zietz e o brasileiro Caio Ibelli terão que ser finalistas. Já para o campeão mundial Adriano de Souza só interessa a vitória no Fiji Pro e Wilkinson não poderá vencer nenhuma bateria, como aconteceu na etapa brasileira da World Surf League.

Oi Rio Pro apresentado por Corona foi realizado com patrocínio da Oi, Samsung, Jeep, Go Pro, Airbnb, Riotur, Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro, Visit.Rio, Governo do Estado do Rio de Janeiro pela Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude, Furnas e Guaraná Antarctica. O Oi Rio Pro foi transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo canal ESPN+.

RESULTADOS DO ÚLTIMOS DIA DO OI RIO PRO 2016:
Campeão: John John Florence (HAV) por 18,97 pontos (9,70+9,27) - US$ 100.000 e 10.000 pontos
Vice-campeão: Jack Freestone (AUS) com 16,13 (notas 8,33+7,80) - US$ 50.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS - 3º lugar com 6.500 pontos e US$ 25.000 de prêmio:
1ª) John John Florence (HAV) 18.73 x 12.66 Adriano de Souza (BRA)
2ª) Jack Freestone (AUS) 16.50 x 14.67 Gabriel Medina (BRA)

QUARTAS DE FINAL - 5º lugar com 5.200 pontos e US$ 16.500 de prêmio:
1ª) John John Florence (HAV) 15.17 x 8.50 Dusty Payne (HAV)
2ª) Adriano de Souza (BRA) 12.97 x 10.00 Davey Cathels (AUS)
3ª) Jack Freestone (AUS) 12.50 x 11.60 Miguel Pupo (BRA)
4ª) Gabriel Medina (BRA) 15.77 x 6.00 Adam Melling (AUS)

TOP-22 DO RANKING DA WORLD SURF LEAGUE - 4 etapas:
1º) Matt Wilkinson (AUS) - 24.500 pontos
2º) Italo Ferreira (BRA) - 18.750
3º) John John Florence (HAV) - 18.700
4º) Sebastian Zietz (HAV) - 17.500
5º) Caio Ibelli (BRA) - 17.200
6º) Adriano de Souza (BRA) - 15.200
7º) Jordy Smith (AFR) - 14.250
8º) Kolohe Andino (EUA) - 14.200
9º) Gabriel Medina (BRA) - 14.000
10) Nat Young (EUA) - 13.900
11) Joel Parkinson (AUS) - 13.450
12) Julian Wilson (AUS) - 13.000
13) Michel Bourez (TAH) - 12.700
14) Filipe Toledo (BRA) - 11.500
15) Adrian Buchan (AUS) - 11.450
16) Stu Kennedy (AUS) - 10.500
17) Conner Coffin (EUA) - 10.200
17) Davey Cathels (AUS) - 10.200
19) Jack Freestone (AUS) - 9.500
20) Kanoa Igarashi (EUA) - 9.250
21) Wiggolly Dantas (BRA) - 9.200
21) Miguel Pupo (BRA) - 9.200
-----------outros brasileiros:
27) Alejo Muniz (BRA) - 4.500 pontos
34) Jadson André (BRA) - 3.250
37) Alex Ribeiro (BRA) - 2.000
41) Deivid Silva (BRA) - 1.750
41) Marco Fernandez (BRA) - 1.750
41) Lucas Silveira (BRA) - 1.750
45) Bino Lopes (BRA) - 500

CAMPEÕES DA ETAPA BRASILEIRA NA CAPITAL DO RIO DE JANEIRO:
WSL 2016 - John John Florence (HAV) - Postinho da Barra e Grumari, Rio de Janeiro (RJ)
WSL 2015 - Filipe Toledo (BRA) - Postinho da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 2014 - Michel Bourez (TAH) - Postinho da Barra da Tijuca - Rio de Janeiro (RJ)
WCT 2013 - Jordy Smith (AFR) - Postinho da Barra da Tijuca - Rio de Janeiro (RJ)
WCT 2012 - John John Florence (HAV) - Postinho da Barra e Arpoador - Rio de Janeiro (RJ)
WCT 2011 - Adriano de Souza (BRA) - Barra da Tijuca e Arpoador - Rio de Janeiro (RJ)
WCT 2002 - Taj Burrow (AUS) - Praia de Itaúna, Saquarema (RJ)
WCT 2001 - Trent Munro (AUS) - Móvel no Rio de Janeiro e finais no Arpoador (RJ)
WCT 2000 - Kalani Robb (HAV) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1999 - Taj Burrow (AUS) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1998 - Peterson Rosa (BRA) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1997 - Kelly Slater (EUA) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1996 - Taylor Knox (EUA) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1995 - Barton Lynch (AUS) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1994 - Shane Powell (AUS) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1993 - Dave Macaulay (AUS) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1992 - Damien Hardman (AUS) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
ASP 1991 - Flávio Padaratz (BRA) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
ASP 1990 - Brad Gerlach (EUA) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
ASP 1989 - Dave Macaulay (AUS) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
ASP 1988 - Dave Macaulay (AUS) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
IPS 1982 - Terry Richardson (AUS) - Praia do Arpoador, Rio de Janeiro (RJ)
IPS 1981 - Cheyne Horan (AUS) - Arpoador e Prainha, Rio de Janeiro (RJ)
IPS 1980 - Joey Buran (EUA) - Praia do Arpoador, Rio de Janeiro (RJ)
IPS 1978 - Cheyne Horan (AUS) - Praia do Arpoador, Rio de Janeiro (RJ)
IPS 1977 - Daniel Friedman (BRA) - Praia do Arpoador, Rio de Janeiro (RJ)
IPS 1976 - Pepê Lopes (BRA) - Praia do Arpoador, Rio de Janeiro (RJ)

CAMPEÃS DAS ETAPAS FEMININAS DO MUNDIAL DE SURF NO RIO DE JANEIRO:
WSL 2016 - Tyler Wright (AUS) - Postinho da Barra e Grumari, Rio de Janeiro (RJ)
WSL 2015 - Courtney Conlogue (EUA) - Postinho da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 2014 - Sally Fitzgibbons (AUS) - Postinho da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 2013 - Tyler Wright (AUS) - Postinho da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 2012 - Sally Fitzgibbons (AUS) - Postinho da Barra e Arpoador, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 2011 - Carissa Moore (HAV) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 2008 - Melanie Bartels (HAV) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1999 - Andréa Lopes (BRA) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1998 - Pauline Menzer (AUS) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1997 - Pauline Menczer (AUS) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1994 - Pauline Menczer (AUS) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1993 - Neridah Falconer (AUS) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
WCT 1992 - Wendy Botha (AFR) - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ)
IPS 1977 - Margo Oberg (AUS) - Praia de Ipanema, Rio de Janeiro (RJ)



Sobre os autores:

Gabriella Simões fez Fotografia Digital no Sesc e é associada a Arfoc/Brasil através da Arfoc/BA. Miguel Brusell é formado em Comunicação Social na UFBA, tem pós em Gestão de Informações para Multimeios na FTC e bloga desde 2003.
«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Comentar