Argentina abre o calendário da WSL South America - EsporteNaRede

segunda-feira, 21 de março de 2016

Argentina abre o calendário da WSL South America

O título no QS 1500 da Argentina que começa quarta-feira em Mar del Plata vem sendo emblemático nos últimos anos, com o vencedor desta etapa terminando o ano como campeão sul-americano da temporada.

Alex Ribeiro.
Colaboração de texto: João Carvalho/WSL
Colaboração de foto: Rodrigo Mairal/Leandro Barsocchini /WSL SouthAmerica

O Rip Curl Pro Argentina vai abrir o calendário 2016 da WSL South America, promovendo o primeiro evento do Circuito Mundial no continente pelo quarto ano consecutivo. A etapa do QS 1500 começa nesta quarta-feira e vai até domingo em Mar del Plata, com surfistas de dez países já confirmados para disputar a premiação de 25.000 dólares, que será dividida entre os mais bem colocados, e os 1.500 pontos no ranking mundial do WSL Qualifying Series. Para os surfistas dos países da América do Sul, o resultado também vale 1.000 pontos no ranking 2016 da WL South America, que define o campeão sul-americano da temporada.

O paranaense Jihad Kohdr.
Neste ano já foram realizadas quatorze etapas do WSL Qualifying Series, mas apenas uma com status QS 1500 como a da Argentina, a primeira da história disputada em Israel, vencida pelo brasileiro Pedro Henrique, que passou a representar Portugal, onde mora há alguns anos. Entre os quase 100 surfistas já inscritos para competir em Mar del Plata, a maioria é do Brasil mais uma vez, porém a cada ano vem crescendo o número de participantes da própria Argentina. Outros países que também estarão representados nesta quarta edição do Rip Curl Pro Argentina são o Peru, Chile, Austrália, Estados Unidos, Havaí, África do Sul, Espanha e Costa Rica.

Alex Ribeiro.
Os brasileiros têm dominado os pódios desde a volta do Circuito Mundial para a Argentina em 2013. As duas primeiras finais foram 100% verde-amarelas. O paranaense Jihad Kohdr ganhou a primeira edição do QS patrocinado pela Rip Curl em Mar del Plata. Depois, o título passou a ser emblemático, com o vencedor do evento terminando o ano como campeão sul-americano da temporada. Foi assim em 2014 com o hoje top da elite da World Surf League, Alex Ribeiro, e com o também paulista Robson Santos no ano passado, quando derrotou o norte-americano Nic Hdez na grande final.

Robson Santos.
Uma nova regra implantada pela World Surf League em 2015 valorizou a disputa pelos títulos regionais dos seus sete escritórios regionais no mundo. Os rankings passaram a computar os resultados das etapas com status QS 1000, QS 1500 e QS 3000, realizadas por cada escritório e o prêmio para o campeão é a garantia de participação nas principais provas do WSL Qualifying Series, as do QS 6000 e QS 10000, que são decisivas na briga pelas dez vagas para a elite dos top-34 que disputa o título mundial no Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour.

Campeões regionais - Antes, essas etapas mais importantes eram limitadas apenas aos top-34 da elite e aos surfistas que ficassem entre os 100 primeiros no ranking QS do ano anterior. O atual campeão sul-americano da WSL South America, Robson Santos, por exemplo, terminou na 114.a colocação no ranking mundial do ano passado e estaria fora do grupo, mas com o título regional garantiu sua vaga para disputar todas as etapas do QS 6000 e QS 10000 esse ano.

Os outros campeões regionais de 2015 que também ganharam este direito foram o australiano Dale Lovelock (185.o no ranking 2015 do QS) da WSL Australasia, o porto-riquenho Brian Toth (141.o) da WSL North America, o sul-africano David Van Zyl (191.o) da WSL Africa e o japonês Kaito Ohashi (137.o) da WSL Japan. Já o campeão da WSL Europe, o brasileiro Pedro Henrique que compete no Circuito Mundial representando Portugal, não precisou da vaga do título regional por ter terminado entre os top-100 do QS, em 43.o lugar no ranking. E o da WSL Hawaii foi John John Florence, que já é integrante da divisão de elite da World Surf League e, portanto, também tem participação garantida nos QS 6000 e QS 10000.

Quatro escritórios regionais já abriram os seus rankings de 2016. O jovem australiano Ethan Ewing lidera o da WSL Australasia. O luso-brasileiro Pedro Henrique começou a defender o título da WSL Europe com vitória no inédito QS 1500 de Israel. O norte-americano Taylor Clark está na frente na WSL North America e o havaiano Keoni Yan na WSL Hawaii. Já o ranking sul-americano da WSL South America será inaugurado nessa semana no QS 1500 Rip Curl Pro Argentina, que será transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com

G-10 DO WSL QUALIFYING SERIES 2016 - 14 etapas:
1º) Leonardo Fioravanti (ITA) - 9.330 pontos
2º) Matt Wilkinson (AUS) - 7.550
3º) Dion Atkinson (AUS) - 7.390
4.o Patrick Gudauskas (EUA) - 5.675
5º) Deivid Silva (BRA) - 5.100
6º) Joshua Moniz (HAV) - 4.690
7º) Cooper Chapman (AUS) - 4.670
8º) Mihimana Braye (TAH) - 4.575
9º) Joan Duru (FRA) - 4.480
10) Connor O´Leary (AUS) - 4.345
11) Tomas Hermes (BRA) - 3.950
-----------sul-americanos até 100:
12) Marco Giorgi (URU) - 3.710 pontos
19) Marco Fernandez (BRA) - 2.900
22) Heitor Alves (BRA) - 2.650
23) Jessé Mendes (BRA) - 2.600
27) Hizunomê Bettero (BRA) - 2.560
40) Lucas Silveira (BRA) - 2.110
43) Bino Lopes (BRA) - 1.940
44) Robson Santos (BRA) - 1.920
50) Miguel Tudela (PER) - 1.800
53) Santiago Muniz (ARG) - 1.750
61) Yago Dora (BRA) - 1.650
67) Victor Bernardo (BRA) - 1.600
71) Yuri Gonçalves (BRA) - 1.470
74) Thiago Camarão (BRA) - 1.450
81) Luel Felipe (BRA) - 1.350
84) Rafael Teixeira (BRA) - 1.325


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad