Deivid Silva é o campeão do Red Nose Pro - EsporteNaRede

domingo, 25 de outubro de 2015

Deivid Silva é o campeão do Red Nose Pro

Atleta patrocinado pela Red Nose foi preciso ao derrotar Stu Kennedy na decisão do QS 6000 apresentado pelo Resort Costão do Santinho surfando apenas as duas ondas que são computadas no resultado da bateria.

Deivid Silva.
Colaboração de texto: João Carvalho/WSL
Colaboração de foto: Daniel Smorigo

O paulista Deivid Silva, de apenas 20 anos de idade, faturou o título do QS 6000 Red Nose Pro Florianópolis apresentado pelo Resort Costão do Santinho no extremo norte da Ilha de Santa Catarina. Ele foi preciso na escolha das ondas na difícil condição do mar da Praia do Santinho no domingo, com séries demoradas de 2 pés, para derrotar o australiano Stu Kennedy, 25 anos, na grande final da etapa que abriu a "perna brasileira" de fim de ano da WSL South America. Deivid só surfou as duas ondas que são computadas no resultado da bateria, que valeram notas 7,90 e 8,17 e um prêmio de 25 mil dólares pela vitória por 16,07 a 14,40 pontos. Com os 6.000 pontos do título, Deivid Silva saltou da 51.a para a 28.a posição no ranking do WSL Qualifying Series, que classifica dez surfistas para a elite mundial do WCT.

Deivid Silva.
"Estou muito feliz por ter conseguido essa vitória. Era o que eu mais queria e acho que nunca tive um dia melhor do que esse na minha vida", foram as primeiras palavras do campeão quando chegou no pódio. "Eu tive que ficar bem calmo porque sabia que tinha que pegar duas ondas muito boas, pois o Stu Kennedy estava surfando muito bem todas as baterias que disputou aqui. Antes da final ele já tirado duas notas acima de 8, então eu sabia que tinha que surfar forte e esperar as melhores ondas que pudessem me dar a vitória. Agradeço muito a Deus, pois sem Ele eu não estaria aqui com esse primeiro lugar, e também a Red Nose pelo patrocínio. O campeonato foi animal e eu estou muito feliz".

Deivid Silva.
Esse é o segundo evento patrocinado pela Red Nose que Deivid Silva festeja o título. O primeiro foi no Red Nose Pro Junior realizado no ano passado em Baía Formosa (RN), onde derrotou o surfista local da cidade na final, Italo Ferreira, que hoje está no WCT. Ele ainda não era patrocinado pela marca, que depois o contratou e passou a investir em sua carreira no Circuito Mundial. Já com o logo da Red Nose no bico da prancha, Deivid Silva foi bicampeão sul-americano Pro Junior da WSL South America em 2014 e 2015 e agora conquista a sua primeira vitória em eventos importantes da World Surf League no QS 6000 Red Nose Pro Florianópolis SC.

Deivid Silva.
"Cara, eu acho que a Red Nose me dá muita sorte, agradeço muito a eles por estarem acreditando em mim e vou mostrar muito mais ainda", disse Deivid Silva, que também falou sobre a busca por uma vaga no WCT ainda esse ano. "Essa era a minha meta, vencer esse campeonato e eu consegui essa grande vitória, então atingi meu primeiro objetivo. Eu vou com tudo agora para Itacaré (BA) tentar um bom resultado lá para chegar em Maresias (São Sebastião-SP) com mais chances de quem sabe conquistar outro bom resultado para subir ainda mais no ranking".

Deivid Silva.
O proprietário da marca Red Nose, Marcelo Cunha Leitão, estava na praia assistindo o campeonato durante essa semana e vibrou com mais uma vitória de Deivid Silva num evento realizado pela marca: "Eu acho que vou ter que fazer mais campeonatos para ele ganhar né (risos). Mas, o Deivid (Silva) teve o mérito dele, surfou muito bem, é do nosso time e estamos muito felizes em dar o prêmio de campeão para ele. Eu gostei bastante do evento, foi um bom investimento, a transmissão pela internet muito boa também, então foi um resultado perfeito com essa vitória brasileira do atleta da nossa equipe".

Decisão do título - A grande final com 35 minutos de duração começou as 14h45 com a Praia do Santinho lotada torcendo para o brasileiro, mas foi o australiano Stu Kennedy que abriu a bateria numa direita fraca que só rendeu 2,33 pontos. Deivid Silva preferiu aguardar por uma onda melhor e Kennedy ficou pegando qualquer uma que entrava. Logo ele acha uma esquerda que abre a parede para ele acertar uma série de quatro batidas e rasgadas mais fortes de backside para tirar nota 7,0 e largar na frente. O australiano ainda pega outra esquerda de três manobras antes do brasileiro surfar a primeira dele e recebe 4,33 dos juízes.

Deivid Silva só faz a sua primeira onda depois de 15 minutos de bateria e pegou uma boa esquerda para jogar água pra cima numa rasgada de frontside e ainda mandar um aéreo full rotation na junção para entrar na briga com nota 7,9. Mas, Kennedy vem numa direita logo atrás para ganhar 7,4 e manter uma vantagem de 6,50 pontos para o brasileiro. O tempo ia passando e Deivid permanecia no outside, pacientemente aguardando por outra boa onda que só entrou para ele quando soou o sinal dos 5 minutos. A direita foi abrindo e o brasileiro saiu manobrando forte de backside e a torcida vibrou com ele na finalização. A praia toda ficou em suspense pela divulgação da nota, que demorou um pouco para sair, mas valeu 8,17 e a virada no placar para 16,07 a 14,40 pontos quando restavam apenas 2 minutos.

Stu Kennedy.
"A gente sempre fica um pouco desapontado em chegar tão perto do título e não vencer, mas ele (Deivid Silva) foi muito paciente durante a bateria toda", disse Stu Kennedy, que entrou na zona de classificação para o WCT com o vice-campeonato. "Eu tentei ficar pegando várias ondas para colocar pressão nele, mas não funcionou porque ele pegou as melhores ondas mesmo pra me vencer. Mesmo assim, estou feliz pelo resultado. Foi um dia longo, surfei quatro baterias e estou orgulhoso do que fiz. Eu precisava do dinheiro e dos pontos, então estou bem feliz. Agora eu subi para décimo no ranking, mas nunca se sabe o que pode acontecer nas próximas etapas. Espero ir bem nos próximos eventos aqui do Brasil e vencer um deles".

Vagas no G-10 - O resultado do Red Nose Pro Florianópolis SC só mudou um nome na lista dos dez indicados pelo WSL Qualifying Series para a elite dos top-34 do WCT. A vaga foi decidida na quarta de final entre Stu Kennedy e o defensor do título da etapa catarinense da World Surf League, Michael Rodrigues. Quem vencesse já tirava o francês Joan Duru do G-10 e o australiano derrotou o cearense por 12,60 para 11,33 para entrar na zona de classificação no primeiro desafio da "perna brasileira" da WSL South America. O próximo é o QS 6000 Mahalo Surf Eco Festival, que começa na terça-feira em Itacaré, no litoral sul da Bahia.

O norte-americano Patrick Gudauskas.
Outros dois surfistas ficaram a um passo de também entrarem no G-10 no domingo decisivo do Red Nose Pro Florianópolis SC. Os norte-americanos Patrick Gudauskas e Conner Coffin atingiriam o objetivo se chegassem na grande final, mas ambos foram derrotados nas semifinais. A precisão cirúrgica de Deivid Silva na escolha das melhores ondas já tinha vitimado Conner Coffin com notas 8,77 e 8,03 na disputa pela primeira vaga na decisão do título do QS 6000 apresentado pelo Resort Costão do Santinho.

O norte-americano Conner Coffin.
"Estou bem feliz porque acho que nunca passei mais de uma bateria aqui no Brasil, então o terceiro lugar está ótimo para mim", disse Conner Coffin, que subiu da trigésima para a 17.a posição no ranking que está classificando até o 13º colocado para o WCT 2016. "Eu gostei daqui dessa praia. Nos dois primeiros dias, as ondas estavam demais, foram as melhores que já surfei no Brasil. Só que é sempre difícil competir contra os brasileiros na terra deles. Fiquei amarradão por ter vencido o Krystian (Kymerson) nas quartas de final, mas o Deivid (Silva) está destruindo e parabéns para ele. Sei que dei uma subida no ranking, só que ainda tem três etapas de 10.000 pontos pela frente, não tem nada definido, mas estou amarradão de estar tão perto da classificação antes de ir pro Havaí".

O californiano Patrick Gudauskas também fez grandes apresentações nas ondas da Praia do Santinho e até aumentou para 18,03 o recorde de pontos do Red Nose Pro Florianópolis SC no domingo. A marca foi atingida no duelo que fechou as oitavas de final, contra o dono do maior placar do campeonato até então, o cearense Heitor Alves com 17,70 pontos. Depois, Pat Gudauskas ganhou um confronto norte-americano com Ian Crane, mas foi batido pelo australiano Stu Kennedy, que fez a segunda maior somatória do dia nesta semifinal, 17, 13 pontos.

"Essa bateria foi um pouco lenta de ondas e cometi alguns erros cruciais, deixando passar as duas melhores ondas que o Stu (Kennedy) aproveitou para me vencer", lamentou Patrick Gudauskas, que já fez parte da elite mundial do WCT e saltou do 31.o para o 16.o lugar no ranking com a terceira posição em Florianópolis. "Fiquei um pouco desapontado, porque queria chegar na final, mas pra mim foi um bom início de ‘perna brasileira’ e estou bem animado para os próximos eventos. O importante é manter o foco e se divertir no surfe. Antes de vir pra cá, eu sabia que ia ser um mês longo, então é ótimo começar com um terceiro lugar".

O QS 6000 Red Nose Pro 15 Florianópolis SC foi realizado com patrocínio master da Red Nose e apresentação do Resort Costão do Santinho Golf & Spa, patrocínio do Governo do Estado de Santa Catarina, através da Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte e FUNDESPORTE, copatrocínio da Prefeitura de Florianópolis e Fundação Municipal de Esportes e apoio de Mini Kalzone. O evento homologado pela WSL South America foi organizado pela Federação Catarinense de Surf (FECASURF) com apoio da Associação de Surf Ingleses e Santinho (ASIS), divulgação oficial do site Waves e Revista Fluir, com transmissão ao vivo pelo www.worldsurfleague.com.



RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO RED NOSE PRO FLORIANÓPOLIS SC:
Campeão: Deivid Silva (BRA) por 16,07 pontos (notas 8,17+7,90) - US$ 25.000 e 6.000 pontos
Vice-campeão: Stu Kennedy (AUS) com 14,40 pontos (7,40+7,00) - US$ 12.000 e 4.500 pontos

SEMIFINAIS - 3º lugar com 3.550 pontos e US$ 5.500 de prêmio:
1ª) Deivid Silva (BRA) 16.80 x 13.93 Conner Coffin (EUA)
2ª) Stu Kennedy (AUS) 17.13 x 15.00 Patrick Gudaukas (EUA)

QUARTAS DE FINAL - 5º lugar com 2.650 pontos e US$ 3.000:
1ª) Deivid Silva (BRA) 13.73 x 11.83 Kanoa Igarashi (EUA)
2ª) Conner Coffin (EUA) 12.97 x 12.67 Krystian Kymerson (BRA)
3ª) Stu Kennedy (AUS) 12.60 x 11.33 Michael Rodrigues (BRA)
4ª) Patrick Gudauskas (EUA) 14.67 x 11.97 Ian Crane (EUA)

OITAVAS DE FINAL - 9º lugar com 1.550 pontos e US$ 2.500:
1ª) Deivid Silva (BRA) 13.17 x 10.17 Caetano Vargas (BRA)
2ª) Kanoa Igarashi (EUA) 15.26 x 14.67 Alex Ribeiro (BRA)
3ª) Krystian Kymerson (BRA) 13.23 x 8.70 Marco Giorgi (URY)
4ª) Conner Coffin (EUA) 13.44 x 9.90 Paul Cesar Distinguin (FRA)
5ª) Stu Kennedy (AUS) 13.24 x 12.93 Bino Lopes (BRA)
6ª) Michael Rodrigues (BRA) 15.50 x 13.93 Evan Geiselman (EUA)
7ª) Ian Crane (EUA) 15.07 x 13.47 Noe Mar McGonagle (CRI)
8ª) Patrick Gudauskas (EUA) 18.03 x 16.90 Heitor Alves (BRA)

RANKING DO WSL QUALIFYING SERIES - após a 32ª etapa em Florianópolis:
1º) Kolohe Andino (EUA) - 27.600 pontos
2º) Caio Ibelli (BRA) - 24.250
3º) Jack Freestone (AUS) - 24.100
4º) Alejo Muniz (BRA) - 23.450
5º) Alex Ribeiro (BRA) - 21.500
6º) Kanoa Igarashi (EUA) - 18.350
7º) Jeremy Flores (FRA) - 17.000 - top-22 do WCT
8º) Miguel Pupo (BRA) - 16.700 - top-22 do WCT
9º) Filipe Toledo (BRA) - 16.500 - top-22 do WCT
10) Stu Kennedy (AUS) - 16.150
11) Ryan Callinan (AUS) - 15.750
12) Adam Melling (AUS) - 15.500
13) Maxime Huscenot (FRA) - 15.100
---------próximos sul-americanos até o 50º lugar:
15) Michael Rodrigues (BRA) - 14.900 pontos
26) Wiggolly Dantas (BRA) - 13.200 - top-22 do WCT
28) Deivid Silva (BRA) - 13.075
30) Jessé Mendes (BRA) - 12.410
31) Italo Ferreira (BRA) - 12.300 - top-22 do WCT
38) Bino Lopes (BRA) - 10.250
49) Santiago Muniz (ARG) - 9.050
50) Hizunomê Bettero (BRA) - 8.340

CAMPEÕES DAS 26 ETAPAS DO MUNDIAL WQS MASCULINO EM FLORIANÓPOLIS:
--------- 12 na Praia da Joaquina + 10 na Praia Mole + 4 na Praia do Santinho
2015: Deivid Silva (BRA-SP) no QS 6000 Red Nose Pro Florianópolis SC na Praia do Santinho
2014: Michael Rodrigues (BRA-CE) no 6-Star Oceano Santa Catarina Pro na Praia da Joaquina
2010: Bernardo Pigmeu (BRA-PE) no 4-Star SuperSurf Internacional na Praia do Santinho
2010: Aritz Aranburu (ESP) no 6-Star Maresia Surf Internacional na Praia Mole
2009: Gabriel Medina (BRA-SP) no 6-Star Maresia Surf Internacional na Praia Mole
2007: Simão Romão (BRA-RJ) no 6-Star Mormaii Costão Pro na Praia do Santinho
2006: Patrick Beven (FRA) no 6-Star Costão Pro Floripa na Praia do Santinho
2005: Heitor Alves (BRA-CE) no 6-Star Onbongo Pro Surfing na Praia Mole
2004: Richard Lovett (AUS) no 6-Star Onbongo Pro Surfing na Praia Mole
2003: Patrick Beven (FRA) no 6-Star Onbongo Pro Surfing na Praia Mole
2002: Chris Davidson (AUS) no 6-Star Onbongo Pro Surfing na Praia Mole
2002: Travis Logie (AFR) no 4-Star Petrobras Open Surf na Praia da Joaquina
2002: Anselmo Correia (BRA-RJ) no 4-Star Reef Classic na Praia Mole
2001: Mikael Picon (FRA) no 4-Star Reef Classic na Praia da Joaquina
2000: Trent Munro (AUS) no 4-Star Maresia Surf Floripa na Praia Mole
2000: Armando Daltro (BRA-BA) no 4-Star Reef Classic na Praia da Joaquina
1999: Neco Padaratz (BRA-SC) no 6-Star Maresia Surf Floripa na Praia Mole
1999: Fábio Gouveia (BRA-PB) no 4-Star Reef Brazil Classic na Praia da Joaquina
1998: Jake Paterson (AUS) no 6-Star Maresia Surf Floripa na Praia Mole
1998: Neco Padaratz (BRA-SC) no 4-Star Reef Brazil Classic na Praia da Joaquina
1995: Neco Padaratz (BRA-SC) no 2-Star Nescau Surf Energy na Praia da Joaquina
1994: Shane Dorian (HAV) no 2-Star Nescau Surf Energy na Praia da Joaquina
1993: Pedro Muller (BRA-RJ) no 2-Star Nescau Surf Energy na Praia da Joaquina
1993: Tinguinha Lima (BRA-SP) no 1-Star Op Pro Floripa na Praia da Joaquina
1992: Michael Barry (AUS) no 3-Star Sea Club Final Heat na Praia da Joaquina
1992: Jojó de Olivença (BRA-BA) no 2-Star Florianópolis Pro na Praia da Joaquina



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad